Formação Intervenção do terapeuta da fala nas dificuldades de alimentação em idade pediátrica

160,00 

Informações Gerais

Regime: E-learning
Duração: 14 Horas
Data e Horário:
06 de Novembro das 9h00 às 13h00 e das 14h às 18h00 (8h00)
09 de Novembro das 19h30 às 22h30 (3h00)
12 de Novembro das 19h30 às 22h30 (3h)
Inscrições até: 1 novembro 2021
Nº Vagas:  12 – 30
*A SeedGO reserva-se no direito de não realizar a formação caso não haja inscrições suficientes, procedendo-se à devolução do pagamento efetuado. Antes de comprar alojamento ou viagem, certifique-se connosco se a formação avança.

Esgotado

REF: SA061121ITFDAIP Categoria:

Descrição

As Dificuldades de alimentação na infância são comuns, apresentando uma prevalência de 5% em crianças sem perturbação do neurodesenvolvimento. Por serem alterações complexas e com etiologias diversas, necessitam de uma abordagem multidisciplinar, com a participação do pediatra, nutricionista, psicólogo, terapeuta da fala, terapeuta ocupacional, gastroenterologista (pediátrico), entre outros…

Por tal, torna-se fundamental que o terapeuta da fala ganhe conhecimentos mais amplos sobre a perturbação alimentar e intervir com base numa análise mais alargada da dificuldade e não apenas com o objetivo de habilitar as capacidades motoras orais. Compreender as dificuldades de alimentação na 1ª infância, vai mais além que a caracterização da dificuldade propriamente dita, é ter em conta que os elementos mais importantes da intervenção são o momento da refeição, o conforto da criança e o seu desejo de aprender a comer.

  • Capacitar os formandos sobre os sinais de alerta ao nível do desenvolvimento neurosensoriomotor global para a função alimentar;
  • Capacitar os formandos de conhecimentos para identificação de alterações no desenvolvimento sensoriomotor oral normal para a função alimentar;
  • Capacitar os formandos de ferramentas para avaliação e intervenção nas dificuldades de alimentação na 1ª infância.
  • Relacionar o desenvolvimento sensoriomotor oral e sua relação com o desenvolvimento motor global e alimentação;
  • Reconhecer sinais/sintomas da dificuldade de alimentação na 1ª infância;
  • Avaliar de forma adequada a dificuldade de alimentação na 1ª infância;
  • Elaborar um plano de intervenção tendo em conta as informações obtidas da anamnese alimentar, visualização de vídeos e avaliação formal;
  • Caracterizar a dificuldade de alimentação segundo o sistema de classificação DSM-V;
  • Conhecer algumas abordagens de intervenção nas perturbações de alimentação;
  • Saber «olhar» para a função alimentar de uma forma mais ampla tendo em conta: o momento da refeição, o conforto da criança e o desejo da criança aprender a comer.

1 – Desenvolvimento sensório motor oral desde o nascimento até aos 2 anos para a função
alimentar:

a) Relação da função alimentar com o desenvolvimento motor global;
b) Mitos e verdades sobre o comportamento alimentar;
c) Mastigação – como decorre a aprendizagem;
d) Métodos para o início da alimentação complementar:

i) Tradicional;
ii) Baby Led Weaning;
iii) ParticipATIVA.

2 – Avaliação e intervenção na função alimentar em idade pediátrica:

a) Identificação de sinais de risco para a perturbação alimentar:

i) Disfunção processamento sensorial;
ii) Disfunção processamento sensorial oral;
iii) Diagnostico diferencial.

b) Caracterização da perturbação alimentar (DSM-V);
c) Protocolos de avaliação para a função alimentar em idade pediátrica:

a. Screening;
b. Anamnese alimentar;
c. Avaliação formal para as funções orais: mastigação e deglutição.

d) Metodologias de intervenção;
e) Abordagem integrativa:

a. Sinais de prontidão para a alimentação complementar;
b. Do morder ao mastigar: influencia das características sensoriais dos alimentos;
c. Variabilidade alimentar;
d. Estratégias facilitadoras do processo de habilitação.

Ana Marques
Terapeuta da Fala do Unidade de Desenvolvimento da Criança do Hospital Central do Funchal. Mestre em Terapia da Fala – área de patologias da linguagem pela Universidade Católica Portuguesa (UCP), Doutoranda em Ciências da Cognição e da Linguagem pela UCP. Pós-graduada em Neurodesenvolvimento em Pediatria pela UCP. Pós-graduada Técnicas de Neurodesenvolvimento de Bobath pelo European Bobath Tuthors Association. Terapeuta da Fala responsável pelo protocolo da intervenção do terapeuta da fala na Unidade de cuidados intensivos neonatais e pediátricos do HCF. Apresentações orais em eventos científicos nacionais e internacionais, na área da motricidade orofacial, deglutição e linguagem. Publicações em revistas científicas e em livros de resumos de congressos. Formadora acreditada pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua do Ministério da Educação, para a área de educação especial. Atividade de docência em mestrados e pós-graduações em terapia da fala nas áreas de motricidade orofacial, deglutição e linguagem em Portugal e Barcelona.
Vice-coordenadora do Departamento de Motricidade Orofacial da Sociedade Portuguesa de Terapia da Fala e Membro da Delegação da Madeira da Associação Portuguesa de Terapeutas

Terapeutas da Fala

Estudantes de Terapia da Fala (finalistas)

Formação Certificada por:

Entidade Certificada DGERT